Skip to content

O altruísmo dos mais ricos

Agosto 25, 2011

Muita conversa por aí sobre os ricos quererem participar nos esforços de recuperação das dívidas nacionais, sobre o efeito de solidariedade, e sobre o altruísmo dos possuidores de grandes fortunas. Desde que Warren Buffet avisou que os estados deviam de parar de mimar os seus ricos, uma catadupa de tomadas sociais de consciência sucedeu-se vertiginosamente pela Europa das fortunas. Logo de seguida, as grandes fortunas francesas vieram a terreiro dizer que queriam ser fustigadas com aumentos nos impostos. Em Espanha não foi preciso nenhum rico abrir a boca – Zapatero já se encontrava na Moncloa a despachar decretos que iam nesse sentido. E imaginamos como o coração de Sílvio Berlusconi deve andar exangue depois de decretar um aumento de impostos sobre os rendimentos mais elevados. E em Portugal?

Meninas loiras e esbeltas formadas, no doubt, nas grandes escolas de finanças da capital, e capitalizando despudoradamente numas belas tetas e cus, apregoam na televisão, com o português fanhoso de quem pouco mais lê do que balanços, razões, e o economist, que este esforço deve ser contextualizado, dado que os ricos portugueses já são taxados a 46% dos seus rendimentos anuais.

Não se compreende muito bem a que propósito vem este remate de conversa – para assinalar que aqui na terra dos amorins e dos soares dos santos não vale a pena pensar em tal coisa? Ou será para nos amolecer as consciências, solidarizando-nos, agora sim, com quem andará ajoujado sob tão dura carga fiscal? Seja qual for a razão, alguém lhes paga para dizerem estas coisas – disso estou certo.

Mas contextualizar é sempre um bom exercício. Por exemplo, aquela benesse extra-terrena que Sarkozy parece estar a dar ao seu povo ao fazer os ricos entrarem no esforço de levantamento da pátria, não constitui mais do que repor a situação que existia antes de 2007, ano em que foi eleito. Até ali, não existia um tecto definido para as grandes fortunas. Mas depois dali, o governo Sarkozy resolveu decretar que o esforço que se poderia exigir das grandes fortunas não poderia ir além dos 50%. Reparem: mesmo com o tecto, ele continuava a ser mais alto do que o português. Porém, as meninas loirinhas de boas mamas que vão surgindo nos nossos ecrãs, apenas se lembram de contextualizar para o caso português, amputando imediatamente qualquer exercício comparativo mais afoito.

Agora bem, o que o governo Sarkozy fez em 2007, inseria-se numa visão geral, propriamente neoliberal, importada dos Estados Unidos e da Grã-Bretanha que tinha por horizonte a ideia de que os ricos criavam riqueza e por isso não podiam ser molestados com impostos. Esta ideia tem sido aplicada com esmero europeu, por exemplo, na Europa de Leste, onde a riqueza é vista como uma beatificação em vida. Mas mesmo para as convicções mais ideológicas de um neoliberal, a equação não funciona quando continuando os ricos a enriquecer, o ritmo de crescimento económico vem por aí abaixo. Onde está o efeito multiplicador resultante de deixar os ricos em paz? Talvez no Mónaco a coisa resulte.

Agora bem (outra vez?) não nos deixemos enganar por esta ideia de esforço concertado, de grandes (gigantescas) fortunas terem acordado para a solidariedade e para o bem comum. O que se passa é que os governos querem retornar ao estado de coisas anterior ao choque neoliberal que infligiram quando para lá foram. No caso francês, o que os ricos vão pagar, é uma espécie de imposto em atraso; como se de repente lhes chegasse a carta das finanças a dizer que incorrem em coima caso não regularizem a sua situação financeira anterior a 2007. É que, por exemplo, parece que a reforma de 2007 teve como resultado um abatimento de 30 milhões de euros que a herdeira da família L’Oreal embolsou. Os ricos não se estão a solidarizar – estão a pagar os impostos em atraso.

Anúncios
No comments yet

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: