Skip to content

O minarete

Dezembro 4, 2009

Vários são os trocadilhos possíveis com palavra tão abstrusa. Aqui, pegaram no dichote e vai de o zurzir até berrar (de prazer, supomos). O problema é que poderiam esticar-se os trocadilhos até ao inenarrável, por exemplo, o resultado do referendo suíço sobre o minarete foi um verdadeiro broche.

Os suíços, é bem verdade, são uma gente asquerosa. E isto não é preconceito, estereótipo, ou má vontade. É assim mesmo e não há nada a fazer. Povos existem que fedem. Os suíços são um deles. A súcia de suíços que habita aquela terra de plástico (tudo parece saído de um presépio de natal, com a diferença que neste ainda há um preto que é rei) é má. Não sei expressar isto de outra forma: os suíços são má gente. Também não sei se foi do queijo, dos relógios, dos bancos, e também não interessa – eles são maus, no sentido em que aplicamos o qualificativo aos meninos maus. Não se explica; confirma-se.

O resultado proibindo a construção de minaretes nos belos e verdejantes sopés dos Alpes é a manifestação mais evidente desta maldade. Fazer o referendo, é já maldade mais que suficiente.

Pela lógica, anexar um minarete a uma mesquita deveria ser decidido consoante a inserção desse mesmo minarete no conjunto urbano onde se destina. Desta forma, certos minaretes poderiam desfear a paisagem e outros poderiam nem sequer com ela interferir chegando mesmo a embelezá-la. Em Teerão existem igrejas cristãs e muitos, mesmo muitos minaretes. Se ali convivem por que razão não o poderão fazer na asséptica Suíça? Não há nada de integralmente inaceitável num minarete; nada de arquitectonicamente inadmissível; nada de intrinsecamente poluidor na sua construção. Este referendo foi portanto um aborto. Donde dever-se-á concluir que também não existe nada de genuinamente bom na instituição do referendo. Nem tão-pouco na vontade da maioria.

Coloca-se, todavia, um problema grave quer com o precedente do referendo quer com o seu resultado. Depois da proibição dos minaretes, discute-se a possibilidade de referendar a proibição da burka. Ora a burka deveria ser proibida sem necessidade de referendo. A burka, essa sim, deve ser banida, sem respeita a lamentações multiculturais ou a pregões pela tolerância.

Se o referendo aos minaretes foi um aborto, a burka é-o igualmente. O problema é que ao referendarem-se ambos está-se a confundir os termos em que o debate deveria ser colocado. De um lado, uma opção arquitectónica que só a mais pusilânime islamofobia poderia erradicar; de outro, um legítimo combate a um hábito desumano e primitivo. Da mesma forma, se bater nas mulheres era tolerado pela religião católica não quer isso dizer que não tivesse que ser forçada uma evolução dos seus valores para que a prática abjecta passasse a ser proscrita; sem que isso implicasse minimamente um ataque aos rituais litúrgicos ou aos torreões das igrejas.

A Suíça ao proibir os minaretes envia ao mundo a mensagem errada. Nesta perspectiva, toda e qualquer manifestação de diferença é condenável por ser, justamente, diferente. Paralelamente, impede uma discussão fundamentada em torno de “dilemas” multiculturais que se levantam em qualquer sociedade onde coexistem grupos com tradições culturais diversas.

Doravante, qual a razão para haver concessões por parte da comunidade muçulmana, se do lado da sociedade de acolhimento qualquer cedência é impreterivelmente negada?

Anúncios
4 comentários leave one →
  1. Dezembro 5, 2009 12:54 am

    Sobre os minaretes, os mesmos nada têm a ver o islam original.
    Na verdade, são mais um insulto a maomé.
    Também não admira que o sejam.
    Se visto e analisado ao pormenor, quase tudo ou mesmo tudo no islam, são insultos ao próprio islam e a maomé.
    Até por essa razão, todo o islam devia ser proibido em toda a parte.
    Como se sabe, o islam não reconhece o outro, nem que o outro fosse um Allah Bom e Vivo.
    O maometismo estupidificou de tal modo os enganados por maomé, que estes nem se apercebem do que dizem e fazem.
    ___________________________________________________

    Para que se saiba.
    Na prática a última coisa que maomé fez foi assassinar o seu próprio allah maometano.
    Disse que o seu allah não mais falaria e que ficava sem espírito.
    Mas antes, e no islam, maomé tirou o filho a allah e castrou-o para que nem descendência pudesse deixar.
    maomé também antes, assassinou a familia de allah, os amigos e todas as entidades espirituais boas,anjos, arcanjos, santos e outras.
    Pior ainda. No islam as coisas são cada vez piores.
    No islam, maomé só deixou o diabo à solta.
    No islam, satanás é a única entidade espiritual activa e que sussurra aos maometanos.
    Os maometanos eruditos podem confirmar isto.
    Dão é depois voltas e mais voltas a justificar, mas isso só prova que o islam é muito hábil a enganar
    os próprios e a tentar enganar os outros.
    Pode-se dizer que isto acontece no mundo imaginário, mas é este mundo imaginário que controla o maometismo.
    Estas verdades dão uma ideia da intolerância e satanismo que existe na doutrina maometana.
    Para maomé um allah vivo ou qualquer entidade espiritual boa viva, seriam os maiores perigos ao seu poder.
    Nem o próprio allah maometano podia escapar com vida às mãos de maomé.
    Só fora do islam o bem(bom-senso/razão) e o Bom Deus podem existir, estarem vivos e manifestarem-se no mundo e nas pessoas.
    ___________________________________________________________________

    Mais coisas que se vão descobrindo sobre o islam.
    Um muçulmano pode ser o maior criminoso em relação aos não muçulmanos e mesmo para com muçulmanos.
    Os outros muçulmanos não o julgam, allah sabe mais e allah é que o julgará.
    Ele, o muçulmano criminoso, pode ter feito coisas proveitosas para o islam, e os outros muçulmanos não o saberem.

    Um não-muçulmano pode ser a melhor e a mais santa das pessoas.
    Para os muçulmanos não tem valor e é para submeter.
    Para o islam, o pior muçulmano está acima do melhor não muçulmano.

    Um não-muçulmano pode fazer o melhor dos bens aos muçulmanos, estes nada lhe agradecem.
    Agradecem só a allah, mesmo que allah os tenha posto ou ponha na maior das desgraças e misérias.

    Os muçulmanos nunca podem por em causa maomé e allah, quando foi o próprio maomé a revelar-nos que
    o seu allah era o responsável por todo o mal do mundo.

    Os muçulmanos dizem o que dizem e fazem o que fazem, porque isso lhes traz proveitos e os não muçulmanos, continuam
    cegos e a não quererem ver o que o islam realmente foi, é e quer ser.
    Está tudo escrito, é só dar um pouco de atenção para descobrir estas e outras verdades sobre aquela coisa, o islam.

    O islam aproveita-se da bondade, generosidade, ingenuidade e passividade dos não-muçulmanos, para ir construindo a
    sua maldade.

    Mesmo que isso passe por desmascarar o mais mascarado dos males, tipo islam, as boas pessoas têm o direito, dever
    e obrigação de defenderem e construírem o bem.

  2. Dezembro 7, 2009 1:14 am

    gostaria de conhecer a sua opinião sobre o catolicism…

  3. Olongo permalink
    Dezembro 7, 2009 7:49 pm

    Para o Jafonso e todos os outros santos ignorantes/hipocricas portuguses de portugal. Em Portugal hà sèculos, o povo português expolsou os árabes da penninsula. Viva Viriato…Os Portugueses ainda hoje tem um dente contra os espagnois (60anos de dominio espagnol). Os portuguses imigraram para a Suiça e não vieram impor aos suiços os custumes e habitos “O Fado” O Malhão malhão, etc.) ao contrário, habituamo-nos aos outros. Os dirigentes derivados dos anos 1960 “Xuxas, socialistas e cumunistas revulucionarios de Abril e porcaria dos anos 1874″que só fizeram uma Grande M….e que a unica coisa que sabem fazer é de andarem a choramongar atraz do cu de Bruxelas e fugirem para o Brazil com o pacote cheio que se calem…Portugal vive na miséria. Os Portugueses só têm vaidade e uma grande guela como os franceses. Calem-se e comessem a limpar a vossa própria porta, Por exemplo: O Porto, ouvi falar tanto do Porto…Mas que tristeza, só vi ruinas, lixo, e pobres…Fechem a Boca..Para não falar da Grandissima M… que foi a independência das Africas…Vão dar lições talvez para o Brazil. Sou Portuguesa, mas quando leio os comentarios dos meus compatriotas que continuam a viver em Portugal no século passado, fico com vergonha de ser portugusa.

  4. nunocastro permalink*
    Dezembro 8, 2009 5:53 pm

    para senhora, mostra uma grande falta de decoro…tstststs

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: