Skip to content

Lisboa será sempre Lisboa!

Novembro 24, 2008

Imagino-me a ir de Telheiras aos Restauradores de bicicleta. A ideia é do Pedro Sales (na caixa de comentários do Jugular). E reparem na argúcia do exemplo: Telheiras aos Restauradores – sempre a descer. Voltar? O melhor é esquecer. Mas para baixo, como dizia a minha avó, que deus tenha, se para os lados do inferno não foi recebida, todos os santos ajudam. E é mesmo preciso ser um santinho, um anjolas, para achar que Lisboa é sítio para um bicho como a bicicleta. Em Nápoles sofreram do mesmo problema. Gorados os esforços da implantação da bicicleta como veículo rei (gay?) dedicaram-se à máfia. Aqui, como a máfia já se encontra implantada, queremos a bicicleta. Mas a que preço?

(Fui de Telheiras aos Restauradores

Num velocípede da Câmara

Só me passaram as dores

Ao fim de uma semana

 

Pra cima foi o diabo

Mais valia burro com cilhas

No lombo a Tvcabo

Já nem sentia as virilhas)

Porque dos Restauradores a Telheiras, isso é outra história. Para não falar do que é saudável, agradável, estimulante, dar ao pedal no meio do inferno do Marquês de Pombal, Saldanha e Avenida da República. Toda aquela natureza que nos acompanha…Estão-me aqui a dizer que o local privilegiado para estas aventuras seria corta-mato pelo parque Eduardo VII, que os portugueses, eu incluído, pronunciam Duarte VII, comendo-lhe o E. Se chegar com os gémeos intactos ao cume, então tem direito a uma bica na esplanada do parque. Podia ser uma das campanhas da Câmara de Lisboa: liberte o canadiano que há em si! E vai de dar ao pedal.

Do cume do Eduarde VII, dali, donde se avista a baixa a espreguiçar-se até ao Tejo, é sempre a descer, vá para onde se for. Por isso tem as suas vantagens começar justamente pelo El Corte Inglês. Seja qual for o percurso, comece pelo El Corte Inglês. Pra cima? Melhor meter a traquitana no metro e ir descansadinho para casa.

Se quiser suicidar-se, vá pedalar para a Graça, encosta acima, pela periferia do Castelo. Ou faça rafting nas conturbadas águas da Infante Santo. Porém, não se atreva a subi-la sem antes ter ingerido uma boa pratada de grão com bacalhau regada com tinto de Reguengos. Outros sítios recomendados com vantagens claras quer para a apoplexia quer para o infarte do miocárdio são as incontornáveis Calçada da Ajuda e Calçada dos Jerónimos. Qualquer destas oferece um declive suficiente para o suícidio quer em direcção ascendente quer descendente. Com a vantagem de serem encimadas pelo tranquilo cemitério da Ajuda. Ocorrem-me outros casos que seria fastidioso estar aqui a enumeras (mas por exemplo, ir do Martim Moniz ao Campo Santana; mas se quiser ser mais afoito experimente a encosta contrária, i.e., da Avenida da Liberdade até a esse mesmo Campo Santana.

Não é caso para desespero. Tem um espaço maravilhoso, aplanado, entre Telheiras e a Av. de Berna onde pode pedalar até se aborrecer ou até as virilhas mostrarem uma tumescência desagradável.

Anúncios
No comments yet

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: